segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

Best practices and alternatives in education

Nos passados dias 5 e 6 de Dezembro o coordenador da InterNICHE em Leicester (UK), Nick Jukes realizou um conjunto de workshops na Universidade Lusófona. Estes tinham como fim a sensibilização dos professores para o inúmero conjunto de alternativas ao uso de animais na Educação, bem como a liberdade de consciência dos estudantes, ao mesmo tempo que incentivam um ensino progressivo da ciência nas escolas e universidades.

Durante os workshops, começou por apelar ao bem-estar dos animais e ao seu direito de liberdade pela vida, ao mesmo tempo que nos deu a conhecer alternativas ao uso de animais no ensino das ciências biológicas e veterinárias, que são defendidas e divulgadas pela InterNICHE, precedido de uma pequena amostra dos diferentes modelos, software e manequins disponíveis. Defendeu o uso de filmes e vídeo como ferramenta ilustrativa e suplementar ao trabalho prático, através do qual é permitido ao aluno preparar-se e adquirir conhecimento adicional antes de iniciar qualquer tipo de maneio em animais reais. Apresentou-nos um manequim canino e diversos modelos de órgãos ou conjunto de órgãos amovíveis como ferramenta de apoio ao treino de competências clínicas como recolha de sangue, entubação, sutura e perfusão de órgãos.

Os simuladores multimédia, bem como outros tipos de software foram outro tipo de alternativas apresentadas que, para além da sua natureza inovadora permitem aos alunos a visualização de vídeos, esquemas e imagens para visualização de sistemas de órgãos e tecidos animais. Apesar de Nick considerar que o uso destas alternativas é suficiente para aquisição das competências básicas não descarta a ideia de que os alunos de ciências médicas necessitam de experiência com animais e tecidos animais. Nessa situação Nick apoia o uso de animais de origem ética, que tenham morrido de morte natural, por acidente ou eutanasiados e cedidos legalmente pelos proprietários.

Nick Jukes mostrou-nos que estas ferramentas, quando usadas em conjunto e aliadas, sempre que necessário, ao treino clínico supervisionado, são suficientes para a aquisição de competências básicas em ciências naturais e médicas.

No fim, Nick Jukes mostrou o seu contentamento com a Faculdade de Medicina Veterinária do Grupo Lusófona pelos modelos usados nas aulas de cirurgia e protocolos estabelecidos com diversas entidades, bem como com o uso de simuladores electrónicos como o BIOPAC, prática corrente em diversas aulas do 1º Ciclo em Biologia da Universidade Lusófona.


Para mais detalhes consulte o relatório dos workshops aqui.
O livro de métodos alternativos para uma educação progressiva e humanitária, "DA COBAIA AO RATO DE COMPUTADOR". 2ª edição. Nick Jukes Mihnea Chiu, está disponivel online.

Para mais informações ou aquisição de material contactar a SPEdH ou a InterNICHE.

1 Pareceres Científicos:

Carlos disse...

Vai haver um curso de manipulação dado pela faculdade de veterinária da lusófona que devia ser publicitado aqui, é muito importante para toda a gente que queira seguir carreira cientifica ter este curso, é como se fosse uma "carta de condução" de trabalho cientifico. Eu vou, mais informações vejam no site da veterinária. Um abraço a todos.